fbpx

A surpreendente relação entre o Câncer de Pele e o Câncer de Mama

Um fato triste provavelmente é conhecido por todos que já tiveram câncer de pele ou câncer de mama: ter uma dessas condições parece aumentar o risco de desenvolver a outra.

As mulheres mais jovens parecem estar em maior risco de sofrer com esse golpe combinado. Infelizmente, o melanoma, a forma mais letal de câncer de pele, também é o tipo mais frequentemente associado ao câncer de mama.

Aqui está um resumo das descobertas científicas que o Blog Brazinco estudou para vocês!

Jovens sobreviventes de câncer de mama são mais suscetíveis ao melanoma

Um estudo dos pesquisadores William Goggins,Wei Gao e Hensin Tsao, publicado em 2014 no The International Journal of Cancer, examinou um banco de dados considerável de registros de saúde das mulheres de nove áreas diferentes dos EUA. A probabilidade de mais tarde receber um diagnóstico de melanoma aumentou em 46% em sobreviventes de câncer de mama com 50 anos de idade ou menos. Embora o risco fosse substancialmente menor, as mulheres que tiveram melanoma eram mais propensas do que outras mulheres a ter câncer de mama.

 

De acordo com um estudo de 2011, publicado na revistas médica Jamal Network, em comparação com a população em geral, mulheres sobreviventes de câncer de mama com menos de 45 anos tiveram um risco 38% maior de adquirir melanoma. Mulheres com mais de 45 anos que sobreviveram ao câncer de mama tiveram um risco 12% maior de desenvolver melanoma.

Menor correlação entre câncer de mama e outros tipos de câncer de pele

Menos se sabe sobre quaisquer ligações entre câncer de mama e câncer de pele não melanoma, como câncer de células basais e células escamosas. Resultados mistos foram vistos em estudos.

 

De acordo com um estudo de 2013, as mulheres (idade média de 66 anos) com câncer de pele não melanoma tiveram uma chance 19% maior de desenvolver câncer de mama no futuro. Em contraste, descobriu-se que as mulheres com histórico de câncer de células basais ou escamosas que desenvolveram câncer de mama eram mais propensas a ter um caso avançado de câncer de mama. O estudo, que envolveu mais de 70.000 mulheres na pós-menopausa, não encontrou correlação entre câncer de pele não melanoma e câncer de mama.

Os genes BRCA representam perigo duplo?

Muitas pessoas temem serem atingidas por câncer de pele e câncer de mama caso tenham casos da família. Embora ainda não se saiba se isso é verdade, pesquisas sugerem que ambos os distúrbios podem ser hereditários.

O risco de câncer de mama é aumentado pelos genes BRCA1 e BRCA2. Eles também têm sido associados ao melanoma em vários estudos, principalmente BRCA2. No entanto, essa relação foi considerada “muito fraca” pelos autores de uma avaliação científica de 2021 com os dados disponíveis, os mesmos  também afirmaram que nenhum gene provavelmente terá um impacto significativo sobre se uma pessoa desenvolve ou não melanoma.

O melhor a fazer

Embora ainda haja muito a entender sobre a relação entre câncer de pele e câncer de mama, a detecção precoce de ambas as doenças é fundamental, assim como as ações para evitar o câncer de pele.

Mamografias

A ciência recomenda que a maioria das mulheres comece a pensar em fazer mamografias anuais aos 40 anos e comece a fazê-las todos os anos aos 45 anos (depois considere reduzir a frequência aos 55 anos). As mulheres que sabem que têm anormalidades genéticas, como o gene BRCA, que aumentam seu risco ou que têm histórico familiar de câncer de mama, devem iniciar o rastreamento precocemente.

Os benefícios de ter seus seios examinados rotineiramente por um médico ou por você mesmo foram recentemente questionados, embora a American Cancer Society aconselhe, no mínimo, familiarizar-se com seus seios e informar seu médico se algo mudar.

Auto-exames e verificações de pele

Por outro lado, os auto-exames regulares da pele são cruciais. Embora mensalmente seja uma recomendação geral, seu dermatologista pode aconselhá-lo sobre a frequência com que você deve fazer isso.

 

A maioria das pessoas também deve visitar o consultório do dermatologista para um exame anual da pele de corpo inteiro.

Uso de protetor solar

Todos devem tomar precauções para proteger sua pele dos raios nocivos do sol, mas você deve tomar precauções extras se você teve ou está recebendo tratamento para câncer de mama ou qualquer outra forma de câncer. A quimioterapia pode aumentar a suscetibilidade da pele aos danos causados ​​pela luz UV, e a radiação pode já ter queimado ou produzido vermelhidão na pele.

Você está ciente da regra: em todos os dias em que planeja sair ao ar livre, aplique um protetor solar de qualidade e também use roupas de proteção.

Fontes: The International Journal of Cancer, Wederm.com, American Cancer Society e Jamal Network.

.

 

/a-surpreendente-relacao-entre-o-cancer-de-pele-e-o-cancer-de-mama/