G-Land Pro: evento que voltaria hoje fez história na década de 90 | Protetor Brazinco
G-Land Pro: evento que voltaria hoje fez história na década de 90

Em agosto do ano passado, começaram os rumores de uma possível volta do G-Land Pro para o circuito da WSL. Quando o calendário oficial saiu, o boato se confirmou.

Os melhores surfistas do mundo, mais de 20 anos depois, poderiam novamente surfar as esquerdas perfeitas e poderosas de Java.

G-LAND-PRO-line-up

Infelizmente, devido à pandemia mundial, o evento deste ano foi cancelado, e a WSL não se pronunciou sobre a realização do mesmo em 2021.

G Land Pro 2020

Os surfistas receberam bem essa notícia, mesmo que seja mais uma esquerda no Tour, uma onda deste calibre acaba agradando a todos.

O único veterano que competiu no evento original é Kelly Slater, mas diversos surfistas da elite surfaram no pico, e se empolgaram com a escolha.

G-LAND-PRO-2020-SURF

Conversamos com nosso atleta da WSl, Adriano de Souza, para saber como ele reagiu a essa escolha. Mesmo entrado no tour mais de uma década depois do evento original, ele tem uma relação especial com Grajagan.

Mineirinho e G-Land

Adriano revela para a gente o segredo que o pico foi local de treinamento dele por muitos anos em preparação para o Fiji Pro.

“Bom, G-land para mim sempre foi um local secreto de treinamento. Era uma onda muito parecida com Fiji, então eu ia muito para G-LAND. Fiji era muito caro, então eu usava a base G-Land para aprimorar as técnicas, e melhorar me desempenho em Fiji. Então G-land para mim é muito especial, um lugar que me dediquei muito para aprender, para surfar. Entrar em sintonia com esse tipo de onda. Então, G-Land está no meu coração, sempre que eu chego lá, fico amarradão. ”

Veja o que o Mineiro falou quando questionado sobre sua reação à escolha do pico.

G-LAND-PRO-2020-ADRIANO-DE-SOUZA

“Quando eu soube que o circuito ia para G-Land fiquei amarradão. Já treinei, já surfei, sei tudo da onda, para mim é uma grande vantagem. Mas com esse lance da pandemia, não sei se vão fazer no ano que vem, fica a expectativa. Mas eu já fui para G-land umas 4,5 vezes. ”

G-land Pro na Década de 90

O pico já foi palco de performances épicas no final da década de 90. A inclusão de Java mostrou a mudança de mentalidade no surf profissional. Antes, eram realizados em beach breaks de grandes surf cities ao redor do mundo, buscando o maior público presente possível para agradar os patrocinadores. O G-LAND Pro foi o marco para a criação do “Dream Tour”, aonde ondas grandes e perfeitas começaram a ser escolhidas em sua melhor época do ano.

G-LAND-PRO-2020-97

O campeonato aconteceu por três vezes entre 1995 e 1997. A etapa estava confirmada para o ano de 1998, mas foi cancelada pela crise asiática que assolou o continente naquele ano.. A instabilidade política e o ataque terrorista em Bali no começo dos anos 2000, acabou fazendo G-Land sumir do calendário da WSL.

Kelly Slater, Shane Breschen e Luke Egan foram os três surfistas que entraram na história como campeões do evento original.

História de G-Land

G-Land foi descoberta por dois surfistas americanos: Bob Laverty e Bill Boyum, em 1972. Os dois aventureiros avistaram a onda quando sobrevoavam a ilha de Java em um avião pequeno. As esquerdas intermináveis que quebravam na ponta de um coral encheram os olhos de Bill e Bob, que observaram e tentaram fazer anotações enquanto suas vistas permitiram.

Os 2 organizaram uma expedição de alguns dias que unia motos e caminhadas longas até conseguirem surfar ondas de 8 pés perfeitas no pico.

Primeiro Surf Camp do Mundo

Alguns dias depois do acampamento perto da floresta, Bob acabou falecendo em um acidente de surf em Bali. Mas Bill continuou voltando ao local e seu irmão abriu o primeiro surf camp de G-Land, que também seria o primeiro do mundo.

Gerry Lopez foi um dos primeiros convidados a desbravar o lugar, que anos depois apareceria em revistas de surf, mas ainda como pico secreto.

Em meados dos anos 80, o pico já era frequentado por diversos surfistas do mundo todo. Mas como as acomodações são limitadas até hoje, é possível sentir a vibe dos anos 70 na floresta javanesa.

Fiquem ligados no nosso Blog que teremos novidades da WSL.

Fotos: Bill Boyum, the inertia, shyllep, Surfer galaxy e surfinglens.

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Escrito por: Equipe Brazinco

Leia mais: