Mutá Hoe Va’a Clube – #FAMÍLIABRAZINCO | Protetor Brazinco
Mutá Hoe Va’a Clube – #FAMÍLIABRAZINCO

Hoje vamos apresentar mais um membro da #famíliabrazinco. Diretamente do paraíso baiano de Maraú, este grupo de canoa polinésia agora vai explorar o litoral sul do estado protegido de Brazinco.

O grupo Mutá Hoe Va’a Clube está treinando para a volta de Santo Amaro, uma das provas mais tradicionais do Brasil. Nove atletas do time estão escalados para competir um percurso de 75 quilômetros com outras 40 canoas.

No meio da preparação, Eduardo Elizeu, um dos responsáveis pelo projeto, tirou um tempo para conversar com nosso blog e contar um pouco de sua história.

Entrevista Mutá Hoe Va’a Clube

  • Como surgiu sua paixão pela canoa havaiana?

Mutá Hoe Va’a Clube – Fomos a primeira empresa de Stand Up Paddle da península de Maraú, o Barra Grande SUP. A empresa bombou por vários anos com a febre do Stand Up Paddle, que logo na sequência começou a dar uma caída.

 

Saiu aquela febre, e a gente viu a canoa crescendo em Santos, no Rio de Janeiro; aí veio a ideia de comprar uma canoa para montar uma base. Logo surgiu a ideia de montar o Mutá Hoe Va’a Clube. Os responsáveis pelo projeto sou eu, Eduardo Elizeu, e o Gabriel Parente, que está comigo praticamente desde o começo.

Somos instrutores do clube, mas hoje em dia tem mais gente dando aula no clube, como a Valentina. Mas eu e o Gabriel somos os responsáveis.

  • Porque você resolver fundar o grupo mutá Hoe? Conte para nossos leitores aonde ele está localizado.

Mutá Hoe Va’a Clube – Quando a gente comprou a canoa, fizemos pensando em remar entre amigos. Já tinha uma galera que curtia, a galera do surf que curtia remar de SUP. Quando compramos a canoa, do nada, apareceu um monte de gente. Aí fundamos o clube, um mês depois de comprar a canoa. Depois disso, só cresceu. Chegamos a ter 50 alunos antes da pandemia.

Agora com a vacinação, está voltando novamente, está bem legal.

O clube está localizado na Ponta de Mutá, uma referência de praia aqui da Península de Maraú. Um ponto que recebe muitos turistas e remadores de todo o Brasil. É um cartão postal aqui de Barra Grande.

  • O grupo é formado por quantos homens e mulheres?

Mutá Hoe Va’a Clube –Com o crescimento do Clube, a galera foi se desenvolvendo, e acaba sempre chegando muitos remadores novos. A gente viu que havia necessidade de a criação de equipes do clube para esta galera mais evoluída treinar separado.

Então, formamos duas equipes, uma masculina e uma feminina. Na masculina são quase 12 atletas, e 9 fixos. No feminino, estamos com dez meninas que estão treinando forte para os campeonatos.

  • Como é a aceitação do esporte pelo público, ele ainda é muito confundido com outros esportes de remo?

Mutá Hoe Va’a Clube – Essa pergunta é bem legal. Como estamos localizados em um lugar turístico, acabamos recebendo muita gente que nunca remou e jamais subiu em uma canoa. Então, esta apresentação ao esporte é muito bacana.

Hoje em dia, a canoa polinésia é um dos esportes que mais cresce no Brasil. O Clube tem 4 anos, e deste tempo para cá, vimos um crescimento muito grande. Existem mais de 100 bases no país. É muito legal apresentar o esporte, muitos clientes nossos praticam a canoa em seus estados por conta de ter conhecido a modalidade aqui no Mutá Hoe.

  • Qual a nível técnico necessário ao remador para fazer um tour pelas ilhas locais?

Mutá Hoe Va’a Clube –O nível técnico para fazer uma remada mais longa, travessias, remadas partir de 10, 12, 20 quilômetros; o cara tem que entender de remada. O mais importante na canoa é a sincronia, é saber remar junto, não precisa ter força, você precisar estar em conexão com outros remadores.

Até fazemos travessias longas com iniciantes, mas com mais paradas, com mais descanso. É possível fazer travessias longas com iniciantes, mas o ideal é que a pessoa tenha pelo menos um mês de remada.

  • Na sua opinião, qual o maior benefício do esporte para qualquer pessoa?

Mutá Hoe Va’a Clube –  O legal da canoa polinésia é que é um esporte coletivo. Depende de todo mundo para colocar a canoa na água, montar ela. Eu, Eduardo, não consigo colocar uma canoa de seis pessoas na água sozinho, depende de um grupo.

Essa comunhão com a galera é muito bacana.

Na parte atlética, a canoa mexe com todos os membros do corpo. Braço, core, pernas, a gente usa tudo para remar.

Além disso, tem aquela coisa do visual, aquilo é uma terapia. A gente recebe muito alunos que querem treinar para competir, andar rápido, e também os alunos que estão ali para contemplar, ver o visual, como se fosse uma terapia.

Por isso temos três horários bem distintos. 6hs é o pessoal que pega pesado, das 7:30 são alunos intermediários. O horário das 16hs ´é o mais tranquilo, a gente não puxa tanto, é para o pessoal que quer mais curtir.

  • Fale um pouco sobre essa nova parceria com o Protetor Brazinco.

Mutá Hoe Va’a Clube – Eu conheci o Brazinco antes de o Nino fazer os vídeos aqui, e de o Juliano (CEO Brazinco) estar por aqui na península. Tenho amigos surfistas que sempre usam, e já tinha usado também.

É um produto excepcional. A gente rema 40, 50 quilômetros. A gente passa Brazinco e ele não sai do rosto.

Essa parceria vai ser muito bacana. Os atletas do time que estão usando já notaram a diferença na performance. Remamos longas distâncias, chegamos esgotados e queimados; então o Brazinco chegou só para somar. Temos nossas expedições e vai ser um prazer está colado com a galera do Brazinco, que é um produto excepcional.

Canoa Polinésia

Você sabe o que é uma canoa polinésia?  Este tipo de embarcação já é usado há três mil anos como meio de transporte. Originada na Polinésia, hoje em dia é um esporte popular na Europa e nas Américas.

No Brasil o esporte chegou em 2000, com o atleta de canoagem Fábio Paiva, atualmente você encontra clubes da modalidade em todas regiões brasileiras.

O Barco

A canoa havaiana difere bastante das embarcações usadas em esportes olímpicos. Além do formato diferente, estas embarcações possuem um flutuador, uma espécie de segundo casco que é preso por hastes ao barco principal que carrega os atletas. Esta peça permite uma estabilidade lateral sem prejudicar a velocidade da canoa.

O Protetor Brazinco está super orgulho de proteger essa galera. Fiquem ligados nas nossas redes sociais para mais conteúdo do Mutá Hoe Va’a Clube!

 

 

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Escrito por: Equipe Brazinco

Leia mais:

GPS Bodyboard School – #FAMÍLIABRAZINCO

GPS Bodyboard School – #FAMÍLIABRAZINCO

Hoje é dia de apresentar mais um projeto irado que faz parte da Família Brazinco. A GPS Bodyboard School ensina a arte de deslizar nas ondas na Praia de Piratininga, em Niterói. Com muito orgulho que anunciamos que essa galera vai começar a pegar as primeiras ondas...

#valeumineiro

#valeumineiro

Caro Adriano de Souza 🏆 Sua aposentadoria acabou chegando um pouco mais cedo do que o esperado, estávamos ávidos para uma despedida de gala em Teahupoo, lugar que brilhou tantas vezes. 🌊 Mas nada acontece por acaso. Como disse o poeta, só aqueles que tem a coragem de...

Na Onda Delas – #FAMÍLIABRAZINCO

Na Onda Delas – #FAMÍLIABRAZINCO

Hoje é dia de apresentar o novo membro da #famíliabrazinco. O projeto Na Onda Delas engrandece a vida de mulheres com mais de 40 anos através do surf na praia de Geribá, em Búzios. O objetivo do projeto é criar uma rede de mulheres maduras que descobrem o surfe como...