Tipos de Câncer de Pele | Protetor Brazinco
Tipos de Câncer de Pele

O câncer de pele representa 33% do total de diagnósticos desta doença no Brasil, sendo que o Instituto Nacional do Câncer (INCA) registra, a cada ano, cerca de 185 mil novos casos.

O tipo mais comum, o câncer da pele não melanoma, tem letalidade baixa, porém seus números são muito altos. A doença é provocada pelo crescimento anormal e descontrolado das células que compõem a pele. Essas células se dispõem formando camadas, e de acordo com as que forem afetadas, são definidos os diferentes tipos de câncer.

Os mais comuns são os carcinomas basocelulares e os espinocelulares ou epidermoides; responsáveis por 177 mil novos casos da doença por ano. Mais raro e letal que os carcinomas, o melanoma é o tipo mais agressivo de câncer da pele e registra 8,4 mil casos anualmente.

Câncer de pele não melanoma

O câncer de pele corresponde a cerca de 30% de todos os tumores malignos registrados no país, sendo o mais frequente. Apresenta grande chance de cura se reconhecido e tratado precocemente. Entre os tumores de pele, é o mais comum e de menor mortalidade, porém, se não tratado adequadamente pode deixar mutilações bastante expressivas. Aparece com maior frequência em pessoas com mais de 40 anos, porém com a constante exposição de jovens aos raios solares, a média de idade dos pacientes vem diminuindo.

Pessoas de pele e olhos claros, sensíveis à ação dos raios solares, com história pessoal ou familiar deste câncer ou com doenças cutâneas prévias são as mais atingidas. Exposição prolongada e repetida ao sol (raios ultravioletas – UV), principalmente na infância e adolescência, também são fatores de risco.

Os tipos mais frequentes são o carcinoma basocelular e o carcinoma epidermoide.

Carcinoma Basocelular (CBC) é o mais comum e também o menos agressivo de câncer de pele. Apesar de ter varias apresentações a mais comum delas é pápula vermelha, brilhosa, com ou sem uma crosta central, que pode sangrar com facilidade. Aparece com maior frequência nas áreas expostas como face, colo e couro cabeludo, mas também pode se apresentar e áreas com menor exposição.

Carcinoma Espinocelular (CEC) é o segundo tipo mais comum do câncer de pele. Este tipo pode aparecer devido à exposição solar, mas também pode acontecer em quem faz tratamentos de quimioterapia e radioterapia ou tem problemas na pele crônicos, como feridas que não cicatrizam. Também pode surgir sobre uma cicatriz, principalmente aquelas decorrentes de queimadura. A maior gravidade do carcinoma epidermoide se deve à possibilidade de apresentar metástase (espalhar-se para outros órgãos). Normalmente, os CECs têm coloração avermelhada e se apresentam na forma de machucados ou feridas espessos e descamativos, que não cicatrizam e sangram ocasionalmente. Eles podem ter aparência similar à das verrugas. 

Melanoma

Os tumores de pele do tipo melanoma têm sua origem nos melanócitos, que são as células produtoras de melanina – pigmento marrom que dá cor à pele. Apesar de serem mais comuns em pessoas de pele clara, os negros, os orientais e seus descendentes não estão livres da doença.

É o tipo menos frequente dentre todos os cânceres da pele, tem o pior prognóstico e o mais alto índice de mortalidade. Embora o diagnóstico de melanoma normalmente traga medo e apreensão aos pacientes, as chances de cura são de mais de 90%, quando há detecção precoce da doença. O melanoma, em geral, tem a aparência de uma pinta ou de um sinal na pele, em tons acastanhados ou enegrecidos. Porém, a “pinta” ou o “sinal”, em geral, mudam de cor, de formato ou de tamanho, e podem causar sangramento. Por isso, é importante observar a própria pele constantemente, e procurar imediatamente um dermatologista caso detecte qualquer lesão suspeita. Essas lesões podem surgir em áreas difíceis de serem visualizadas pelo paciente, embora sejam mais comuns nas pernas, em mulheres; nos troncos, nos homens; e pescoço e rosto em ambos os sexos.

Nos estágios iniciais, normalmente o melanoma se manifesta em forma de pinta, que se diferencia das demais por algumas características que podem ser agrupadas em uma regra chamada “ABCDE”:

Apesar de parecer muita informação, o importante é fazer o autoexame 1 vez ao mês cuidando as regras do “ABCDE” além de observar feridas que não cicatrizam por mais de 4 semanas ou sangram com facilidade.

Usar protetor solar acima de FPS 30 e reaplicar sempre que necessário, roupas e acessórios com proteção UV além de evitar exposição solar entre 10-16h.

O dezembro laranja está colorindo nosso país para levar conscientização sobre os riscos e cuidados que devemos ter sem deixar de aproveitar o lado bom da vida!

#seexponhamasnãosequeime

#dezembrolaranja

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Escrito por: Equipe Brazinco

Leia mais:

Dicas de Alimentação para manter a saúde no Outono

Dicas de Alimentação para manter a saúde no Outono

O conforto de uma estação com temperaturas mais amenas, a tentação de comer comidas quentes e mais calóricas são algumas das mudanças que ocorrem no Outono, mas precisamos alinhar tudo isso com uma alimentação que ajude nosso corpo a funcionar corretamente, certo?...

Guarda-vidas, os heróis de nossas águas

Guarda-vidas, os heróis de nossas águas

As águas sempre exerceram um fascínio sobre o homem. De lá tiramos nosso alimento, usamos mares, rios e lagos como transporte e muitas vezes, da água vem nossa fonte de renda. A maioria das civilizações antigas cresceu junto ao mar ou grandes concentrações de água....

Pele Saudável começa pela higiene adequada

Pele Saudável começa pela higiene adequada

Já conversamos muito sobre proteção solar, mas ainda não falamos sobre uma duvida muito frequente no consultório: como fazer a remoção do produto adequadamente. O protetor solar assim como maquiagem e poluição, tem ação oxidante quando permanecem por muito tempo na...